A Paixão do Povo Brasileiro por Imóveis Mantém a Valorização Imobiliária Constante e Rentável para os Investidores

Cada brasileiro tem o sonho comum de ter a sua casa própria, “morar no que é seu”, evidenciando uma forte demanda cultural por imóvel no Brasil. Somado a esse sentimento, observamos a flagrante realidade de um déficit habitacional que se encontra em torno de 6 milhões de moradias, e um cenário macroeconômico estável que confirma a constante valorização imobiliária brasileira.Fatores como a queda nas taxas de juros e o aumento no prazo para pagamento reduzem os valores das parcelas, impulsionando o consumo e, por consequência, a valorização imobiliária contribuem para vencer obstáculos como a necessidade de comprovação de renda familiar, que nem sempre está em sintonia com o anseio em adquirir o tão sonhado imóvel.

A forte alta observada nos valores imobiliários nos últimos anos pode ser vista como uma atualização nos preços após anos de estagnação. Seguida por uma acomodação que observamos no mercado após o intenso período de ajuste, o que percebemos é o início de uma fase de adaptação também nos valores dos aluguéis, tornando as taxas de retorno mais atrativos, de acordo com a pesquisa FipeZap.

Muito se especula sobre o patamar em que se encontra o valor do metro quadrado brasileiro, mas em comparaçãocom os países que integram o BRIC (Brasil,Rússia, Índia e China), fica comprovado que os valores praticados por lá chegam a custar 250% a mais que as taxas encontradas no Brasil, mostrando que ainda existe muito espaço para valorização.

Outro ponto muito debatido atualmente na impressa concentra-se na polêmica quanto a “investir ou não” no mercado imobiliário nesse momento. Os que acreditam e investem apontam avalorização imobiliária como principal atrativo. Para estes investidores,a tão propalada “reduzida taxa de retorno de aluguel” deve ser encarada como um complemento à valorização imobiliária, e não pode ser analisada isoladamente no caso do mercado brasileiro, que tem no imóvel seu “porto seguro”.O retorno com aluguel, somado à valorização dos imóveis, tornam o mercado imobiliário muito forte e rentável.

No âmbito do Distrito Federal, os últimos anos apresentaram taxas de valorização mensal muito acima daqueles praticados pela poupança e CDI. Vejam o comparativo abaixo:

  • Nos últimos 5 anos = 1.5% mês de valorização + 0,4% locação=1,9% de retorno ao mês
  • Nos últimos 10 anos = 1.3% mês de valorização + 0,5% locação= 1,8% de retorno ao mês
  • Nos últimos 15 anos = 1.0% mês de valorização + 0,5% locação= 1,5% de retorno ao mês

Descontando o imposto de renda que incide sobre os aluguéis e não sobre a poupança, e desconsiderando a inflação, que reduz a taxa de retorno de forma equivalente, tantopara o investidor de imóveis como para o investidor de poupança, a taxa de retorno ainda se mostra muito atrativa para o investidor imobiliário:

  • Nos últimos 5 anos = 1,79% ao mês contra 0,66% da popança + TR =>171% a mais a favor dos imóveis
  • Nos últimos 5 anos = 1,79% ao mês contra 0,86% no CDI + TR=>108% a mais a favor dos imóveis

Sendo assim, como investimento de médio e longo prazo, só perde dinheiro com imóvel quem decide vender no momento errado.

Outra questão fundamental é que o brasileiro, além de utilizar o imóvel como moradia, também se apoia nesse mercado como uma sólida fonte de renda para servir de aposentadoria e formação de patrimônio pessoal e corporativo. Culturalmente, temos a dificuldade de controlar a impulsividade e o consumismo, o que acaba por desviar os recursos das aplicações correntes para a compra de itens que desvalorizam rapidamente, como veículos novos, objetos para a casa e eletroeletrônicos. Esse fenômeno ocorre devido a grande liquidez encontrada em aplicações como poupança, CDI e ações, sendo o que não ocorre no mercado imobiliário e que acaba ajudando a proteger o patrimônio do investidor com esse perfil.

Imóvel no Brasil, não é visto como um investimento “da moda”. Inúmeras famílias que se mantiveram economicamente sólidas frente às diversas crises mundiais e “pacotes econômicos mirabolantes” atribuem essa estabilidade à perene condição de relevância que os imóveis mantêm junto às relações humanas.

Outros pontos cruciais para o fortalecimento do mercado imobiliário estão no cenário brasileiro favorável ao crescimento, evidenciados por aspectos como:

  • a relação credito imobiliário versus PIB, que ainda é insignificante em termos internacionais e até mesmo em relação aos vizinhos da América Latina (Obs.: nossa relação está cinco vezes inferior a países como Colômbia e Chile, indicando muito espaço para o crescimento)
  • PIB em alta e crescimento da economia
  • aumento de renda e crédito
  • juros em baixa (Selic)
  • aumento nos prazos para pagar
  • confiança, bom grau de investimento(selo de qualidade internacional)
  • estabilidade macroeconômica
  • maior segurança jurídica para financiadores
  • boas reservas internacionais superiores a dívida externa
  • taxa de desemprego em queda
  • superávit na balança comercial
  • taxa de câmbio estável
  • Mas, se mesmo assim o investidor ainda ficar na dúvida, ainda resta o argumento de estar realizando um“sonho de consumo legítimo”, o que por si só já justificaria a compra.

Leia Também:

VN:F [1.9.22_1171]
Quantas estrelas essa pagina merece?
Rating: 0.0/5 (0 votes cast)

5 comentários para “A Paixão do Povo Brasileiro por Imóveis Mantém a Valorização Imobiliária Constante e Rentável para os Investidores”

  1. Joana 10 de abril de 2012 às 16:28 #

    Gostaria de saber se essas taxas de retorno se aplicam aos imóveis situados no Guará!

  2. Joana 10 de abril de 2012 às 16:41 #

    Boa Noite Joana,

    Obrigado por participar do blog da Tetto !

    As taxas de retorno colocadas não se referem a uma região específica, e sim uma média de retorno extraída de varias negociações nos ultimos anos em regiões como: Asa Sul, Asa Norte, Sudoeste, Octogonal, CA do Lago Norte, Cruzeiro e incluve algumas negociações que fizemos no Guará !

  3. Davi 10 de abril de 2012 às 16:55 #

    Não entendo porque a taxa de retorno com os imoveis apontado na matéria reduz com o passar dos anos, qual seria o limite inferior?

  4. Pedro 11 de abril de 2012 às 20:07 #

    Não está mais compensando comprar imóvel para renda, sobretudo porque muitos não dão retorno de sequer 0,3% sobre o valor investido. Os preços ficaram muito altos, portanto, comprar imóvel hoje, só mesmo o para morar.

Deixe um comentário